Site da USP
Programa de Pós-Graduação em Fisiologia Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
Facebook

Evelin Capellari Cárnio

Evelin-Capellari-Carnio-150x150 Orientadora
Departamento de Enfermagem Geral e Especializada da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP
+55 (16) 3315 4768 ou 3315 4767 (Lab)

PROFESSORA TITULAR DO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM GERAL E ESPECIALIZA DA ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO/USP.

Professor Titular do Departamento de Enfermagem Geral da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto-USP.

Credenciada para orientação de alunos de mestrado e doutorado no Programa de Pós-graduação em Fisiologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto.

FORMAÇÃO ACADÊMICA

  • Graduação: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto-USP.
  • Mestrado: Mestrado em Fisiologia – Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP, FMRP/USP, Brasil.
    Título: Canais para potássio ativado por cálcio em células de Leydig, Ano de Obtenção: 1992.
    Orientador: Prof Dr. Wamberto Antonio Varanda.
  • Doutorado: Doutorado em Fisiologia – Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP, FMRP/USP, Brasil.
    Título: Participação do óxido nítrico e da privação hídrica na expressão gênica do peptídeo natriurético atrial em diferentes estruturas do sistema nervoso central, Ano de obtenção: 1997.
    Orientador: Prof. Dr. José Antunes Rodrigues.
  • Pós-doutorado: Pós-Doutorado Supervisão Quentim J. Pittman Hospital da Universidade de Calgary, HCALG, Canadá.

    Nosso laboratório investiga a função de mediadores gasosos e hormonais em modelos animais de inflamação sistêmica. Utilizamos diferentes abordagens de investigação que envolve tanto estudo in vivo como in vitro (cultura de células).

    Estamos interessados nos mecanismos relacionados à fisiopatologia de doenças inflamatórias, para tanto utilizamos modelos animais de choque séptico para explorar a participação dos mediadores gasosos e endócrinos nesse modelo de patologia.

    Desenvolvemos estudos com foco sobre a regulação da pressão arterial, bem como na temperatura corporal e produção de citocinas em animais submetidos ao choque séptico experimental.

    Ainda realizamos estudos com cultura de macrófagos peritoneais onde os mesmos são estimulados com produtos bacterianos e avaliamos sua função frente a diferentes moduladores hormonais.

EQUIPE

Técnico de Nível Superior:

  • Marcelo Eduardo Batalhão

Alunos pós-graduação:

  • Aline Jesus
  • Andre Luiz Tomaz de Souza
  • Carlitos Singolani Junior
  • Felipe Faim
  • Patricia Passaglia

WEB OF SCIENCE CARNIO EC:

Total de trabalhos publicados: 99
Total de citações: 879
Fator H: 16
Data: 25/07/2016

PRINCIPAIS PUBLICAÇÕES

  1. Differential Role of Neurohypophysial Hormones in Hypotension and Nitric Oxide Production During Endotoxaemia. Stabile AM, Moreto V, Batalhão ME, Rocha MJ, Antunes-Rodrigues J, Cárnio EC. J Neuroendocrinol. 2016 Jun;28(6).
  2. Cholecystokinin inhibits inducible nitric oxide synthase expression by lipopolysaccharide-stimulated peritoneal macrophages. Saia RS, Mestriner FL, Bertozi G, Cunha FQ, Cárnio EC. Mediators Inflamm. 2014;2014:896029.
  3. Cardiovascular and inflammatory response to cholecystokinin during endotoxemic shock. Saia RS, Bertozi G, Mestriner FL, Antunes-Rodrigues J, Queiróz Cunha F, Cárnio EC. Shock. 2013 Jan;39(1):104-13.
  4. Role of dexamethasone on vasopressin release during endotoxemic shock. Batalhão ME, Moreto V, Stabile AM, Antunes-Rodrigues J, Carnio EC. Regul Pept. 2008 Apr 10;147(1-3):67-71.
  5. Hypothermia during endotoxemic shock in female mice lacking inducible nitric oxide synthase. Saia RS, Anselmo-Franci JA, Carnio EC. Shock. 2008 Jan;29(1):119-26.
  6. Neuro-immune-endocrine mechanisms during septic shock: role for nitric oxide in vasopressin and oxytocin release. Carnio EC, Moreto V, Giusti-Paiva A, Antunes-Rodrigues J. Endocr Metab Immune Disord Drug Targets. 2006 Jun;6(2):137-42.
  7. Inducible nitric oxide synthase pathway in the central nervous system and vasopressin release during experimental septic shock. Giusti-Paiva A, De Castro M, Antunes-Rodrigues J, Carnio EC. Crit Care Med. 2002 Jun;30(6):1306-10.

REDES SOCIAIS